terça-feira, 19 de julho de 2016

Trilha Ecológica do Galho Seco: avanços e desafios de uma comunidade em comunhão com a terra



Por Neilson Gomes / Luciano Serafim

A Casa de Cultura Cidadã Urucum – Caccum realizou no sábado, 16 de julho, a primeira Trilha Ecológica rumo à localidade do Galho Seco, a convite do Sr. José Maciel Januário da Silva, o “Márcio”, presidente da Ascacel (Associação Comunitária Antônio Celestino Lins) e um dos coordenadores do assentamento do MLST (Movimento de Libertação dos Sem Terra) na localidade. Ele foi nosso guia na primeira trilha, que rendeu muitos momentos de descontração e risadas durante todo o percurso, no qual encontramos rios, bicas, serras lindíssimas, nascente com água cristalina, matas... e a Natureza a todo momento demonstrando a sua beleza e imponência.
Chegamos primeiro à casa do senhor José Amaro Lira, o “Zé Amaro”. Um lugar encantador e apesar do pouco tempo que estivemos com ele, descobrimos que é o principal conhecedor das matas e plantas naquela localidade, e que o mesmo compreendeu a importância de conviver em equilíbrio com a Natureza, retirando dela apenas o necessário para sua subsistência e/ou da sua comunidade, protegendo sua área do desmatamento, bem como reflorestando áreas já desmatadas. Um homem de vários talentos, é também o principal construtor local, foi responsável pela construção artesanal da casa de farinha, claro que auxiliado pela comunidade, e construiu algumas engenhocas/mecanismos úteis para seu uso pessoal e uso da coletividade.
Na segunda casa em que chegamos, mesmo sem sermos conhecidos, convidados ou esperados, fomos recebidos com um café da manhã de primeira linha pelo casal Irmão Antônio e Irmã Anadeje, que nos receberam com aquele sorriso de boas vindas, com aquele jeito humano e hospitaleiro de ser, que só o homem do campo tem. Essa alegria toda, talvez por acordar toda manhã vendo e ouvindo o espetáculo da Natureza, que é uma extensão do seu quintal.
É comum ouvir coisas negativas sobre os sem-terras: que estes não trabalham, que participam de um movimento que desafia a democracia e a ordem social, etc. São alguns dos muitos comentários que geralmente desabonam o movimento. Particularmente não sou estudioso do assunto, não tenho uma opinião formada, também aqui não pretendo apoiar ou criticar o movimento, mas especificamente fazer um relato real e sucinto do que vimos no Assentamento do MLST Galho Seco.
Encontramos trabalhadores que abrem estradas manualmente, extensas áreas cultivadas na enxada; muitas laranjas, abacaxis, bananas; pelo menos três casas de farinha ativas na região; homens construindo escola para seus filhos, preocupados com a preservação de suas matas, com o reflorestamento e com o lixo acumulado, criando estratégias para melhorar a segurança no campo (assentamento); cooperativismo; pessoas sorridentes e acolhedoras...
Infelizmente, vimos também uma comunidade que necessita de melhor assistência do poder público; vimos as culturas atacadas por diversas pragas, carecendo urgentemente de assistência técnica especializada, bem como os insumos necessários para o devido tratamento dessas lavouras.
Ouvimos vários causos e histórias verídicas, além de coisas evidentemente inusitadas, como a senhora que o poste de energia elétrica passa em frente a sua casa, mas ela disse que não queria essa energia em sua residência, pois energia é “coisa do capeta”. Contudo, no seu semblante percebemos que se tratava de uma pessoa belíssima em sua simplicidade, o terreiro extenso limpo e impecavelmente varrido, fechado por uma cerca de madeira em excelentes condições de conservação.
Em suma caminhar como fazíamos quando criança em meio a Natureza traz uma sensação indescritível de felicidade, além da realização pessoal em compreender um pouco melhor a vida em um assentamento produtivo como é o caso do Assentamento Galho Seco. A Caccum fará novas trilhas, a próxima com previsão para o mês de outubro do corrente, local ainda a definir, essa caminhada é aberta a não integrantes da ONG.





segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Congresso CACCUM movimentou centenas de alunos com temas sobre ética e imoralidade

CACCUM considerou um sucesso o evento

DA REDAÇÃO COM LUZAMIR CARNEIRO - SEGUNDA, 28 DE SETEMBRO



Foto: Luzamir Carneiro/jgnoticias

Foram dois dias de programação que movimentou centenas de alunos, tantos da Escola Estadual Mário Gomes de Barros, onde ocorreu o evento, como outros adolescentes, alunos de outras escolas do município. Eles participaram da 5ª edição do Congresso Cultural Caccum - realizado pela Casa de Cultura Cidadão Urucum. Quem participou teve a oportunidade de passar dois dias com muitas atividades, entre elas mesa redonda, debates, apresentações culturais e palestras, tudo com tema voltado a Ética e Imoralidade.
Para o presidente da ONG, que atua em Joaquim Gomes, formada por um grupo de universitários, que hoje muitos deles já são graduados, mestres, doutores e bacharéis, porém com o mesmo sentimento, querer ajudar o município, promovendo cultura e discutindo temas que ajuda na formação de uma sociedade mais atenta e com senso social.

Erinaldo Calado, que preside a Caccum no município disse que apesar das dificuldades de colocar em prática um projeto como esse, mais uma vez foi positivo. Ele contou que esse ano teve algumas dificuldades para realização de alguns projetos, pois parte dos integrantes da CACCUM tem seus afazeres tanto nas suas faculdades como em seus trabalhos.
 Em relação ao tema, ficou convicto que veio engrandecer cada jovem. "Encerro dizendo Nam, que cada um tem participação na formação desses jovens e a CACCUM e aqueles que colaboraram para realização desse projeto (membros da CACCUM, COLABORADORES, MEMBROS DA SOCIEDADE, COMÉRCIO E ESCOLA MÁRIO GOMES) estão contribuindo para a formação de jovens através de assuntos como esse". Concluiu.



 As palestras e os temas com diversos segmentos da sociedade, mas o debate foi sempre com o mesmo objetivo, mostrar para os participantes, que onde e em qualquer lugar ou posição, é preciso ter ética para então fazer uma sociedade mais justa.
 Simone Aureliano dos Santos é policial militar do estado de Alagoas que carrega como nome de guerra, Simone Santos, formada em bacharel em direito, pós-graduada em direito do trabalho e direito previdenciário, e atualmente iniciando mestrado em direito humanos e cidadania.
 Simone é filha natural de Joaquim Gomes, e foi uma das responsáveis a ministrar palestra para os estudantes, trouxe um tema em que aponta a Polícia e sua ética. Para a policial militar, foi uma satisfação poder retornar à Joaquim Gomes, exatamente na escola em que concluiu seu ensino médio, e ainda além disso poder contribuir com o evento, trabalhando as questões éticas entre a juventude.
Ela destacou o evento como uma grande oportunidade de semear a cultura de paz, e acaba sendo um trabalho preventivo e isso lhe deixa muito grata. Sobre ética policial, ela reconhece que a sociedade muitas vezes fica desacreditada da polícia, e essa relação entre sociedade e polícia deve ser bem trabalhada, porque a credibilidade que vem sendo perdida perante a sociedade, com trabalho pode e deve ser recuperada.
 Simone defende a polícia, como qualquer outro setor, pois entre a corporação existe os bons e nos más  e a sociedade deve acreditar ainda na polícia, pois existe pessoas de bem, policiais que estão dispostos a ajudar um ao outro e que esse trabalho de prevenção, é uma maneira de aproximar a comunidade escolar e acabar com essa cultura que a polícia é truculenta, mas que existe um trabalho social e que é muito produtivo para a sociedade. Falou.

Fonte: jgnoticias.com Fotos: Luzamir Carneiro

Link completo: http://jgnoticias.com/artigo/1739/congresso-caccum-movimentou-centenas-de-alunos-com-temas-sobre-aetica-e-imoralidade

Fotos:















Na abertura do Congresso Cultural Caccum, juiz debate sobre ética no judiciário








Na abertura do Congresso Cultural Caccum, juiz debate sobre ética no judiciário
CACCUM

DA REDAÇÃO COM LUZAMIR CARNEIRO - SEXTA, 25 DE SETEMBRO ATUALIZADO AS 08:45




Foto Luzamir Carneiro

O juiz Gilvan de Santana Oliveira atendeu ao convite e foi um dos primeiros a ministrar palestra no Congresso Cultural Caccum 2015, o evento que começou ontem, segue nesta sexta-feira, 25, onde os alunos da Escola Estadual Mário Gomes, como também outros convidados, estão tendo a oportunidade de discutir diversos subtemas, tudo relacionado à ética e Imoralidade. Tema da 5ª Edição do Congresso da Casa de Cultura Cidadã Urucum.


















Foto: Luzamir Carneiro

O evento da ONG jurunquense é direcionado a toda sociedade, mas principalmente aos jovens estudantes. Devido ao alastramento de eventos, fatos de corrupção na sociedade brasileira dentro do cenário político dos últimos anos, como: mensalão e escândalo da Petrobras, entre outros, foi que a Caccum decidiu apontar para a reflexão de que a falta de ética ou a corrupção não apenas acontece no meio político, mas também em diversos setores da sociedade e até em pequenos atos do cotidiano.
Para o presidente da ONG, Erinaldo Calado, a corrupção está presente nos pequenos detalhes da vida, e de forma corriqueira e indiscriminadamente tem sido praticada, quando se fura uma fila, levamos para casa uma caneta da escola ou do local de trabalho, quando nos beneficiamos de amizades para agilizar procedimentos que normalmente demoraria mais. Explicou.
A Casa de Cultura Cidadã Urucum pretende através da realização deste evento, propiciar uma maior aproximação e conhecimento sobre ética, através de debates, palestras, apresentações culturais e filmes, na tentativa de despertar nos participantes um maior senso de responsabilidade, respeito mútuo e a prática da cidadania, ou seja, refletir e por em prática, sempre que possível, a ética.
Advogado Francisco, juiz de direito Gilvan de Santana e Josivaldo Santos, membro da Caccum durante congresso em uma mesa redonda
 Logo pela manhã de ontem (24), foi dado início com uma mesa redonda formada pelo advogado Francisco Manoel da Silva Júnior, daqui da cidade e o juiz que por duas décadas atuou no município, cidade que até hoje ele reside.
O magistrado assim como o advogado debateu com os alunos, que lotaram o pátio da escola sobre o tema: "Judiciário e Ética" quando exploraram sobre a falta de ética que também afeta o poder. O juiz destacou o congresso, e disse que a ele cabe falar sobre ética, porém lembrou que antes do judiciário, existe uma sociedade e citou o que disse Aristóteles "O homem é um ser político e social". Quando disse que o homem não pode viver isolado, porém quando passa a viver em sociedade vem os confrontos, as divergências, é aí onde entra o poder judiciário. Falou.
Os conflitos humanos existem porque os pensamentos são diferentes, o que até chegar a uma conclusão o que nem sempre acontece, é quando para resolver se criou figuras com conhecimentos da causa para resolver esses conflitos. "É a partir dai que o judiciário precisa entrar com a ética, pois é preciso julgar de forma imparcial e com toda ética e moralidade".  Falou.
 O juiz defendeu que a ética tem sua essência e começa dentro de casa, como exemplo ele disse que quando um filho mente para sua mãe e ela descobre, precisa criar mecanismo que aponte o filho com a atitude errada para que seja punido de forma que atente para uma reflexão sobre o que tenha cometido, seja lá o que for, se não houve a lealdade, ou se desrespeitou a regra daquilo que é legal, faltou ética, o que somente comprova que a ética precisa começar dentro de casa.
Alunos lotaram o pátio da Escola durante congresso
O magistrado disse que a personalidade precisa ser defendida dentro da casa, para nessa construção, na sociedade exista ética e moralidade. Por último criticou a postura tanto do eleitor como do político, já direcionando a falta de senso real em que acabam faltando ética e elegendo representantes que são antiético e isso tem gerado uma sociedade corrompida. Ele orientou os participantes a ter atitude ética “seja em pequenos ou qualquer ato, é preciso ser moralmente ético”. Concluiu.
No final, tanto o advogado como o juiz de direito responderam as perguntas enviadas pelos alunos sobre ética no judiciário, que não esconderam que entre o setor, existem muitos ‘picaretas’ e antiéticos. Mas a sociedade pode contribuir para acabar com essa imoralidade.

Reportagem completa no site jgnoticias.com

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

V CONGRESSO CACCUM CULTURAL DE JOAQUIM GOMES, "ÉTICA E IMORALIDADE SOCIAL."



Esta quinta edição do Congresso CACCUM Cultural de Joaquim Gomes, que tem como tema “Ética e Imoralidade Social”, acontecerá nos dias 24 e 25 de setembro de 2015, na Escola Estadual Mário Gomes de Barros, situado à Rua Professora Cícera Santos Marinho, 10, Centro, Joaquim Gomes.
A realização deste congresso é possível pela parceria realizada entre a ONG Casa de Cultura Cidadã Urucum- CACCUM e a Escola Estadual Mário Gomes de Barros.
Nos dois dias do evento acontecerão apresentações culturais, mesas-redondas, relacionadas ao tema, abertas a todos: alunos e sociedade. E haverá também palestras fechadas, várias simultaneamente, onde os participantes poderão se inscrever a partir do dia 22 e 23 de setembro do corrente ano.

Devido ao alastramento de eventos, fatos de corrupção na sociedade brasileira dentro do cenário político dos últimos anos, como: mensalão e escândalo da Petrobras, entre outros, pretendemos apontar para a reflexão de que a falta de ética ou a corrupção não apenas acontece no meio político, mas também em diversos setores da sociedade e até em pequenos atos do nosso cotidiano. 
A corrupção está presente nos pequenos detalhes de nossa vida, é praticada corriqueira e indiscriminadamente, quando furamos uma fila, levamos para casa uma caneta da escola ou do local de trabalho, quando nos beneficiamos de amizades para agilizar procedimentos que normalmente demoraria mais. 
No intuito de trazer uma reflexão sobre a falta de ética nossa de cada dia, queremos apresentar oportunidades de confrontar essas práticas a partir de ciclos de debates, palestras e mesas-redondas a respeito de nossa imoralidade social, ocasionando a efetivação da ética. 
A realização deste evento direcionado à comunidade escolar e à sociedade em geral, pretende abrir espaço para discussão, reflexão e até uma tentativa de transformar nossa realidade, incentivando a agir diferente e a rejeitar a ideia e a prática de corrupção, de forma a aprender a valorizar a ética e os bons valores morais.
Precisamos incentivar apostar nas novas gerações com uma esperança e expectativa de um futuro melhor, com menos egoísmo e ganância pelo que é alheio. E é acreditando nas novas gerações nos nossos adolescentes que precisamos colocar em prática ações como esta, fazer uma pequena ação almejando plantar uma semente do bem, do bom, do correto, da boa moral e da efetivação da ética.
Uma das principais propostas deste é fazer com que haja uma maior conscientização da sociedade com relação à importância dos valores éticos estipulados tanto pela mesma, quanto pela família. Por entendermos a fundamental importância em debatermos temas relevantes para sociedade juruquense, proporcionando uma reciprocidade de conhecimentos e conscientização ética, moral, social, político e humanitária. 

Teremos como temas de algumas palestras:

Mesa Redonda
Ética no Judiciário 
Gestão Publica e Ética

Palestras
Ética Policial; 
Ética Política; 
Ética no Mercado de Trabalho;
Ética Midiática;
Politicamente Correto;
Gestão Educacional e Ética;
Arte - construindo pessoas éticas;
Esporte: Construtor de Ética;
Ética e Vergonha na Cara;
#Corrupção Não (MPE);
Fundamentalismo Religioso.



domingo, 18 de janeiro de 2015

Projeto Cabeça Feita realiza mais uma edição no bairro Cacimbas


Projeto 'Cabeça Feita' uma iniciativa da ONG Caccum - Casa de Cultura Cidadã Urucum, criada com o objetivo de fomentar a cultura, preservar o meio ambiente e promover ações sociais aos moradores de Joaquim Gomes. Este ano, ela recomeçou os trabalhos dando andamento ao projeto que foi sucesso no ano passado, alcançando crianças espalhadas por toda cidade, promovendo ações recreativas e de solidariedade no município.
Este ano, o projeto que visa levar um dia de lazer e ações sociais aos moradores, voltou ao bairro Cacimbas, quando na Escola Valquíria Marinho, montou sua estrutura e ofereceu gratuitamente, corte de cabelos, aferição de pressão arterial, brincadeiras, distribuição de lanches, doces para a criançada do bairro, sendo a 8ª edição do projeto.

Segundo a Caccum, o projeto vem sendo realizado há mais de três anos, e a cada edição a satisfação vem junto com o sorriso das crianças! E esses sorrisos é o nosso salário... A cada vez que realizamos um deste projeto. Revelou a ONG em uma de suas postagens.

A Caccum é composta por pessoas voluntárias que tem objetivos comuns em ajudar as pessoas da cidade, atualmente é presidida pelo então professor Erinaldo Calado e outros universitários e já formados profissionais de diversas áreas que imbuídos, buscam promover melhor qualidade de vida aos moradores desta cidade.

POR: LUZAMIR CARNEIRO EM 19, SEGUNDA DE JANEIRO  10:12



Tradutor